Últimos posts por Sergio Telles

Sobre o filme “O estudante” (2015), de Kiril Serebrennikov

“O estudante” (2015), de Kirill Serebrennikov Sérgio Telles Indicado para o prêmio “Un Certain Regard” de Cannes em 2016, o filme russo “O estudante”, de Kiril Serebrennikov, baseia-se na peça “Martyr” do alemão Marius von Mayenburg. O título em russo “(M)Uchenik” é um trocadilho, pois “Muchenik” significa “mártir” e “Uchenik”

Sobre o filme “Francofonia” de Alexander Sokurov

Sobre o filme “Francofonia” de Alexander Sokurov Sérgio Telles O extraordinário filme “Francofonia”, de Alexander Sokurov reflete sobre o Louvre, a arte, o poder, o papel dos museus. O pano de fundo do filme é o episódio real ocorrido em 1940 na Paris ocupada pelos alemães, quando o funcionário francês

Sobre o filme “Meu amigo hindu”, de Hector Babenco

MEU AMIGO HINDU, de Hector Babenco Sérgio Telles “Meu amigo hindu”, novo filme de Babenco, retoma uma questão de grande interesse em artes narrativas como literatura e cinema, que é a importância dos elementos biográficos na obra do autor, a maneira como transita entre ficção e realidade. Mais do que

Quem é Elena Ferranti?

Quem é Elena Ferrante? (*) Sérgio Telles Elena Ferrante é o pseudônimo de uma escritora italiana que tem feito sucesso desde seu primeiro livro, lançado em 1992. Com seu “quarteto napolitano’, publicado entre 2011 e 2014 conquistou o mercado internacional. Foi traduzida em 40 países, vendeu 1 milhão de exemplares

Sobre “Julieta”, de Almodóvar

Sobre JULIETA, de Almodóvar (*) Sérgio Telles “Julieta”, o último filme de Almodóvar se afasta completamente dos excessos presentes em seu estilo kitsch e em seu universo ficcional, habitualmente povoado por personagens beirando a marginalidade e a criminalidade, vivendo situações emocionais de alta voltagem e problemas ligados ao gênero sexual.

Considerações sobre “Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert

Considerações sobre “Que horas ela volta?”, filme de Anna Muylaert (*) Sérgio Telles “Que horas ela volta”, filme de Anna Muylaert possibilita várias leituras. A primeira e mais evidente é a político-social. O enredo gira em torno de uma família de classe média alta, constituída pelo casal parental (José Carlos

Realidades virtuais, Pokemon e fobia

Realidades virtuais, Pokémon e fobia (*) Sérgio Telles O videogame Pokémon já vendeu mais de 200 milhões de itens da marca e até março desse ano faturou 46.2 bilhões de dólares. O jogo consiste na captura dos Pokémon – pequenas criaturas imaginárias – por seres humanos, que os treinam para