Últimos posts por Sergio Telles

Dezembro, o mês mais cruel

Dezembro, o mês mais cruel (*) Sérgio Telles Haveria um mês do ano especialmente cruel? T.S. Eliot, um dos maiores poetas de língua inglesa do século XX, responderia prontamente – sim, abril é o mais cruel dos meses. No hemisfério norte, abril marca o inicio da primavera, recebida com grande

O PSICANALISTA VAI AO CINEMA III

APRESENTAÇÃO O PSICANALISTA VAI AO CINEMA III, DE SÉRGIO TELLES Em “O psicanalista vai ao cinema – volume 3” (Editora Zagodoni, 2016) mantenho o objetivo de seus predecessores, ou seja, divulgar psicanálise através da interpretação de filmes. Consta de 22 textos, muitos deles publicados em diferentes lugares, nos quais discuto

“A Secretária” (The Secretary, 2008), de Steven Sheinberg

“A Secretária” (The Secretary, 2002), de Steven Sheinberg Sérgio Telles Merecidamente o filme de Sheinberg, que aborda de forma pouco convencional uma relação sado masoquista, ganhou o prêmio de roteiro mais original do Sundance Festival e a atriz Maggy Gyllenhaal recebeu inúmeras indicações para o prêmio de melhor atriz. Inusitada,

Moral sexual “civilizada”, hoje – Transcrição de palestra realizada no XII Simpósio Erotismo e sexualidade contemporânea, na PUC-São Paulo, 2014

Moral sexual ‘civilizada’, hoje Sérgio Telles Transcrição da palestra realizada no XII Simpósio “Erotismo e sexualidade na contemporaneidade”, 31/10/2014, no Núcleo de Estudos Junguianos da PUC-São Paulo Liliana: Agora eu vou convidar o professor Sérgio Telles que nos visita hoje na PUC, ele já é amigo dos junguianos, vejam bem…

Sabine Spielrein, Freud e Renata Cromberg – um diálogo produtivo

Sabina Spielrein, Freud e Renata Cromberg – um diálogo produtivo (*) Sérgio Telles Resenha de: Cromberg Renata, “Sabina Spielrein – uma pioneira da psicanálise” – Obras Completas, volume 1. São Paulo: Livros da Matriz, 2014, 400 p. O livro de Renata Cromberg sobre Sabina Spielrein é um empreendimento de fôlego

Sobre a mentira

Sobre a Mentira (*) Sérgio Telles A universalidade da mentira é afirmada por Koyré quando diz: “Certamente, o homem é definido por sua capacidade de falar, da qual decorre a possibilidade de mentir; e – com licença de Porfírio – é a mentira, muito mais do que o riso, o

Um homem, uma mulher

Um homem, uma mulher Sérgio Telles A capacidade de transcendência do ser humano. O lutar para transformar a realidade. A não acomodação com o que parece ser o destino imutável e irreversível. O enfrentar obstáculos e superá-los. A coragem de desafiar limites impossíveis de ser transpostos. O empenho em conseguir

“Artistas da fome”- divagações em torno de um conto de Kafka

ARTISTAS DA FOME Sérgio Telles Freud diz que nós, forçados que fomos a abandonar a onipotência narcísica, ficamos fascinados por aqueles que não passaram por isso, como as crianças, as mulheres muito belas e os grandes felinos, os tigres e leões. Eles são tão autocentrados, tão satisfeitos consigo mesmos, que