Literatura por Sergio Telles

Semáforos, farmácias, máscaras ou Três cenas paulistanas

Semáforos, farmácias, máscaras ou Três cenas paulistanas Sérgio Telles Ao parar no semáforo, o carro é imediatamente cercado por um bando de crianças, adolescentes, jovens adultos. Alguns correm entre os veículos, colocando nos retrovisores pequenos sacos plásticos com balas, bombons ou flanelinhas, acrescidos de um pequeno escrito onde está afirmado

Kafka, Derrida e a Lei

Kafka, Derrida e a lei (*) Sérgio Telles “Diante da lei”, a curta e extraordinária parábola de Kafka, é relançada agora na coletânea “Franz Kafka Essencial” (Penguin/Companhia das Letras, 2011). Ela fala do homem do campo que sai em busca da lei e que chega finalmente a seus portões.  Mas

Sebald e as lembranças de guerra

Sebald e as lembranças de guerra (*) Sérgio Telles W. G. Sebald (1944-2001) é o grande autor alemão que faleceu precocemente num acidente de carro na Inglaterra, onde vivia como professor universitário desde 1970.  Suas quatro obras mais importantes – “Austerlitz”, “Os anéis de Saturno”, “Os Emigrantes” e “Vertigem” –

Não se aprende samba na escola

Não se aprende samba na escola (*) Sérgio Telles Num país onde os serviçais domésticos são, na maioria das vezes, mulheres recrutadas em suas regiões mais pobres e colocadas, como o fez o ex-ministro Delfim Neto, na categoria de “animais em extinção“, o livro “Jakob von Guten, um diário”, de

Shakespeare na atualidade

“Parece-me que, se viesse a conhecer Shakespeare, eu explodiria de medo“, escreveu Gustave Flaubert numa carta para sua amada Louise Colet. A confissão de Flaubert, feita quase 250 anos após a morte do Cisne de Avon, dá uma boa imagem da vitalidade e força intimidadora de Shakespeare mesmo entre seus

Ficção e Realidade – uma trama inextricável?

Em “Represálias Selvagens – Realidade e Ficção na literatura de Charles Dickens, Gustave Flaubert e Thomas Mann” (Companhia das Letras, 2010), Peter Gay, prolífico historiador, mostra que, por ser de ficção, um texto não está impossibilitado de expor profundas verdades humanas, bem como, por ser realista, um texto não está isento

Três orelhas de livro

Três orelhas de livro – “Abraços Negados” de Simone Paulino (2005) “A Maldição das Cadeiras de Plástico” (2006) de Doris Fleury (ambos da Editora Allbooks – Casa do Psicólogo) e “Contos do Divã” de Sylvia Loeb (Ateliê Editorial, 2007) 1) Abraços Negados – de Simone Paulino “Abraços Negados”, o livro

Manual do Podólatra Amador

Apresentação do livro MANUAL DO PODÓLATRA AMADOR – AVENTURAS & LEITURAS DE UM TARADO POR PÉS, de Glauco Mattoso – Coleção “Além da Letra”, Allbooks, São Paulo, 2006 Esta é a nova edição revista e atualizada do Manual do Podólatra Amador – Aventuras & leituras de um tarado por pés,

Kosinski e algumas questões sobre a autoria literária

Um aspecto que parece ressaltar na literatura ocidental do século XX é a crescente preocupação com a linguagem e esta preocupação pode ser enfocada de várias maneiras. De um lado, a tentativa de captar a língua viva, como ela é pensada intrapsiquicamente e falada efetivamente pelos vários estratos de uma

Babel e a criação da necessidade estrutural da tradução

Resenha de Torres de Babel – Jacques Derrida – Editora da Universidade Federal de Minas Gerais – Belo Horizonte – 2002 – 76p. O pequeno ensaio “Torres de Babel” de Derrida faz parte de seu livro “Psyché”, de 1987. O tema central é a tradução. Ao invés de se contentar