Cinema por Sergio Telles

“Eu, mamãe e os meninos”, de Guillaume Gallienne,

“Eu, mamãe e os meninos” (Les garçons e Guillaume, a la table!, 2013), de Guillaume Gallienne Sérgio Telles O filme é uma obra de Guillaume Gallienne, que escreveu o roteiro, interpretou dois papeis (o dele mesmo e o da mãe) e dirigiu. Foi exibido no Festival de Cannes de 2013

“A grande beleza”, de Paolo Sorrentino

“A grande beleza”, de Paolo Sorrentino Sérgio Telles Apesar da incontestável originalidade, o premiado filme de Paolo Sorrentino segue uma nobre tradição do cinema italiano que passa por Rosselini (“Roma, Cidade Aberta”), Antonionni (“A noite”) e especialmente pelo Fellini de “La Dolce Vita”. O filme está centrado no personagem Jep

Depois de Lucia, um filme quase insuportável

“Depois de Lucia”, de Michel Franco – um filme quase insuportável Sérgio Telles É quase insuportável assistir “Depois de Lucia”, filme do mexicano Michel Franco que recebeu o prêmio “Un certain regard”, no festival de Cannes de 2012. Não por ser um filme ruim mas pela dureza com que Michel

Hannah Arendt, de Margareth von Trotta – um filme de aventura

“Hannah Arendt”, um filme de aventura (*) Sérgio Telles O filme de Margareth von Trotta sobre Hannah Arendt está centrado sobre as violentas reações, especialmente por parte do establishment judeu norte-americano e israelense, desencadeadas por suas reflexões sobre o julgamento de Eichmann em Jerusalém, ao qual assistiu como enviado especial da revista The

Algo de podre não só no reino da Dinamarca

Algo de podre não só no reino da Dinamarca – comentários sobre o filme “A Caça”, de Vinterberg Sérgio Telles Durante uma brincadeira, uma instável menina de 5 anos beija levemente os lábios de seu professor, a quem entrega um bilhete amoroso. Com delicadeza e sensibilidade, ele tenta reendereçar suas

“Amor”, de Haneke

“Amor”, de Haneke Sérgio Telles Velhice, deterioração do corpo, proximidade da morte são dolorosos aspectos da realidade que preferimos esquecer, assuntos desagradáveis e evitados sempre que possível.  Quando, vencendo a resistência, eles se impõem à nossa atenção, logo são contrarrestados por considerações lenitivas ou substituídas por itens mais tranquilizadores. O

“Saraband”, a derradeira dança

“Saraband”, a derradeira dança (*) Sérgio Telles Talvez seja apenas uma fantasia, mas é comum ver a última obra de um artista com olhos especiais, imaginando nela encontrar uma espécie de súmula que expressa, de forma cabal, sua concepção de mundo, a forma como vê os homens e as coisas.

Deliberações importantes

Deliberações importantes (*) Sérgio Telles O filme Os Descendentes, de Alexander Payne e estrelado por George Clooney, forte candidato ao Oscar em várias categorias, de forma indireta aborda um importante tema de nossa modernidade – o direito de morrer quando as condições de vida se tornam insuportáveis e sem perspectivas.

Nudez – digressões em torno do filme “Shame”

O comportamento compulsivo incide muitas vezes sobre atividades reprimidas, censuradas e passíveis de punição legal, como o jogo, o sexo, o uso de drogas. Por esse motivo, os que incorrem em tais práticas tão proibidas podem ser vistos como detentores de invejáveis ousadia e liberdade pela maioria cumpridora de deveres

Dois filmes – “A separação” e “J. Edgar”

Dois filmes Sérgio Telles Fui ver J. Edgar, o filme de Clint Eastwood sobre o poderoso chefão do FBI, munido com a imagem mais difundida de Hoover, ou seja, o homem que chantageou a América durante 48 anos, ameaçando a todos com seus arquivos secretos. Imaginava que personagem tão desprovido