Cinema por Sergio Telles

Sobre o filme “O estudante” (2015), de Kiril Serebrennikov

“O estudante” (2015), de Kirill Serebrennikov Sérgio Telles Indicado para o prêmio “Un Certain Regard” de Cannes em 2016, o filme russo “O estudante”, de Kiril Serebrennikov, baseia-se na peça “Martyr” do alemão Marius von Mayenburg. O título em russo “(M)Uchenik” é um trocadilho, pois “Muchenik” significa “mártir” e “Uchenik”

Sobre o filme “Francofonia” de Alexander Sokurov

Sobre o filme “Francofonia” de Alexander Sokurov Sérgio Telles O extraordinário filme “Francofonia”, de Alexander Sokurov reflete sobre o Louvre, a arte, o poder, o papel dos museus. O pano de fundo do filme é o episódio real ocorrido em 1940 na Paris ocupada pelos alemães, quando o funcionário francês

Sobre o filme “Meu amigo hindu”, de Hector Babenco

MEU AMIGO HINDU, de Hector Babenco Sérgio Telles “Meu amigo hindu”, novo filme de Babenco, retoma uma questão de grande interesse em artes narrativas como literatura e cinema, que é a importância dos elementos biográficos na obra do autor, a maneira como transita entre ficção e realidade. Mais do que

Sobre “Julieta”, de Almodóvar

Sobre JULIETA, de Almodóvar (*) Sérgio Telles “Julieta”, o último filme de Almodóvar se afasta completamente dos excessos presentes em seu estilo kitsch e em seu universo ficcional, habitualmente povoado por personagens beirando a marginalidade e a criminalidade, vivendo situações emocionais de alta voltagem e problemas ligados ao gênero sexual.

Considerações sobre “Que horas ela volta?”, de Anna Muylaert

Considerações sobre “Que horas ela volta?”, filme de Anna Muylaert (*) Sérgio Telles “Que horas ela volta”, filme de Anna Muylaert possibilita várias leituras. A primeira e mais evidente é a político-social. O enredo gira em torno de uma família de classe média alta, constituída pelo casal parental (José Carlos

“Curtindo a vida adoidado”, hoje

“Curtindo a vida adoidado”, hoje (*) Sérgio Telles “Curtindo a vida adoidado” (Ferris Bueller’s Day off), de John Hughes, completa 30 anos esse mês, o que motivou comemorações públicas em Chicago, onde a história se passa. Sucesso de público e crítica, o filme é uma boa comédia sobre a adolescência,

Sobre “Prova de coragem” de Roberto Gervitz

Prova de Coragem, de Roberto Gervitz (*) Sérgio Telles Não é fácil a transposição de um romance, concebido em linguagem escrita e com estrutura narrativa especifica, para a linguagem visual do cinema. Mas Roberto Gervitz tem-se saído bem nessa empreitada. Em 1987, realizou “Feliz Ano Velho”, grande sucesso de público

O PSICANALISTA VAI AO CINEMA III

APRESENTAÇÃO O PSICANALISTA VAI AO CINEMA III, DE SÉRGIO TELLES Em “O psicanalista vai ao cinema – volume 3” (Editora Zagodoni, 2016) mantenho o objetivo de seus predecessores, ou seja, divulgar psicanálise através da interpretação de filmes. Consta de 22 textos, muitos deles publicados em diferentes lugares, nos quais discuto

NOSTALGIA (1983), de Andrei Tarkovsky

Andrei Tarkovsky, um dos maiores cineastas russos, fugiu com a mulher para o Ocidente em 1983, deixando na União Soviética o filho que só reencontraria em 1986, ano de sua morte precoce aos 54 anos. Oficialmente atribuída a um câncer de pulmão, muitos a viram como um assassinato realizado pela