Blog por Sergio Telles

Sobre o filme JE SUIS KARL, de Christian Schwochow – de Sérgio Telles

Resenha do filme “Je suis Karl” no Netflix (*) Sérgio Telles O filme ”Je suis Karl”, de Christian Schwochow, embora um tanto esquemático, é uma boa representação do ressurgimento da direita radical que vivemos atualmente. A ação se passa numa Alemanha assustada com as ondas migratórias, principalmente as muçulmanas, que

Aspectos do Negacionismo no mal-estar de hoje, de Sérgio Telles

ASPECTOS DO NEGACIONISMO NO MAL-ESTAR DE HOJE (*) Sérgio Telles É verdade que o mal-estar é estrutural, decorre da necessidade de reprimir as pulsões sexuais e agressivas, para que seja possível nossa convivência em comunidade, como Freud dissecou em sua grande obra “O mal-estar na cultura”. É um tema vasto

Uma biografia da depressão, de Christian Dunker – de Sérgio Telles

Uma biografia da depressão, de Christian Dunker (*) Sérgio Telles Christian Dunker – conhecido psicanalista, professor titular do Instituto de Psicologia da USP e presença na mídia – organiza de forma criativa essa abrangente história da depressão ao dispô-la como uma biografia com episódios intitulados de forma sugestiva, que atiçam

Sobre dois ensaios de Peter Handke, de Sérgio Telles

Sobre dois ensaios de Peter Handke (*) Sérgio Telles A outorga do Nobel de Literatura do ano passado ao austríaco Peter Handke suscitou polêmicas dado seu apoio a Milosevic Slobodan, o presidente sérvio acusado de genocídio na Bósnia, Croácia e Kosovo. A obra de Handke inclui roteiros de cinema, peças

Confissão Involuntária – sobre o caso Durst

CONFISSÃO INVOLUNTÁRIA – SOBRE O CASO DURST (*) Sérgio Telles Robert Durst, 71 anos, é o filho mais velho de um bilionário dos negócios imobiliários de Nova York. Aos 7 anos presenciou o suicídio da mãe, que se atirou do teto da mansão onde moravam. Tornou-se um rapaz solitário e

“Martin Eden”, de Jack London

“Martin Eden”. de Jack London Sérgio Telles De Jack London eu conhecia apenas algumas versões publicadas pela Ebal na Edição Maravilhosa. Imagino que algum tempo atrás essa afirmação pareceria críptica, compreensível apenas para algumas pessoas maiores de 60 anos. Hoje, com os buscadores da internet, em segundos, curiosos de qualquer

Derrida, uma vida extraordinária

Derrida, uma vida extraordinária (*) Resenha de Benoît Peeters,  Derrida – a biography, Polity Press (New York, USA / Cambridge, UK), 2013, 629 pp.   Sérgio Telles   Bem acolhida ao aparecer há dois anos na França, a biografia de Derrida escrita por Benoît Peeters recebe o mesmo tratamento nos Estados

“Eu, mamãe e os meninos”, de Guillaume Gallienne,

“Eu, mamãe e os meninos” (Les garçons e Guillaume, a la table!, 2013), de Guillaume Gallienne Sérgio Telles O filme é uma obra de Guillaume Gallienne, que escreveu o roteiro, interpretou dois papeis (o dele mesmo e o da mãe) e dirigiu. Foi exibido no Festival de Cannes de 2013