Butô

As luzes se apagam e lentamente se iluminam, mostrando estranhos seres de cabeça raspada, totalmente pintados de branco, vestindo inusitadas roupas que lembram vestes talares. Ao som de uma música que é mais uma sequência de rítmos sóbrios, essas figuras surpreendentes executam desconhecidos movimentos que não consiguimos identificar ou atribuir a qualquer repertório já visto ou conhecido. Eles se movem também num ritmo inaudito, tão lento que quase parecem não se mexer. Mais ainda, assumem posições corporais que parecem provar a inexistência de um esqueleto ósseo, tal é a flexibilidade e fluidez das sequências. O efeito geral é de grande beleza.

O espectador, entre aterrorizado e fascinado, sente como se estivesse presenciando um antiquíssimo e secreto cerimonial de sacerdotes egípicios preparando a múmia de algum faraó, ou a uma cerimônia desconhecida de extra-terrestres, prestando tributo a seus líderes, a alguma divindade num ritual misterioso.

Em qualquer dos casos, o expectador sente como se estivesse indevidamente presenciando um espetáculo secreto e que será severamente punido caso seja flagrado em sua observação. Assim, é com alívio que bate palmas enquanto as luzes voltam a acender.

Trata-se do espetáculo “Hiyomeki – Em meio a uma gentil e agitada vibração”, magnífica realização do grupo Sankai Juku, um dos mais célebre de Butô, que se apresentou pela terceira vez em São Paulo há poucos dias. Segundo a Oxford International Encyclopaedia of Dance, o Butô é uma dança contemporânea japonesa, criada nos anos 50, que funde formas tradicioanais daquele país – como a dança folclórica , o nô e o kabuki – com contribuições ocidentais atuais, tais como o ballet, a dança moderna e pós-moderna e as formas dançantes de arte performática.

O espetáculo constava de quatro danças. É verdade que já na terceira, o impacto visual e afetivo tinha se diluido. Talvez para um espectador ocidental ele foi longo demais. Mas como entender o misto de terror e fascínio que ele consegue despertar – pelo menos neste que vos escreve? Seria por acordar antigos registros de quando criança víamos os adultos se movendo, fazendo coisas que desconhecíamos, ignorávamos? Seriam evocações da cena primária, a descoberta da vida sexual dos pais, esse mistério doloroso e infindável da vida dos adultos com o qual as crianças tem de conviver?

Sem comentários.

Deixe seu comentário